segunda-feira, abril 05, 2004

catequese
J· conheÁo os preceitos, conceitos, todos desfeitos no desfecho. Os valores todos, as novenas, sei de cor. Objetividade, ordem direta, precis„o, simplicidade. Eu j· sei. Mas a lÛgica do aluno robÙ ainda acredita que n„o. N„o foi repetitiva o suficiente. O suficiente. N„o. Precisa mais. RepetiÁ„o, precis„o, coloquialidade. E o simples n„o È simplÛrio, chulo ou vulgar. Ora, mas e se eu quiser ser simplÛrio, chulo e vulgar, porra? N„o pode, diz o livro de regras, o manual de redaÁ„o, os milhıes de bÌblias jornalÌsticas. Monte de frivolidades vazias em si mesmas. JuÌzos de valores, preconceitos ling¸Ìstico-sociais.



ressaca
Bastam os trezentos e cinq¸enta Íme-Èles. Doce ·gua-sanit·ria preta doce, goela abaixo. Gasosa. ReaÁıes quÌmicas involunt·rias fazem e desfazem-se em minutos. Nhame. Gostosa. ¡gua gaseificada, aÁ˙car, extrato de noz de cola, cafeÌna, corante de caramelo IV, acidulante INS 338 e aroma natural. Natural. Nhame nhame. Goela abaixo, rasgando. Raspando as paredes internas de um organismo fraquejado pelas drogas. Droga. Gasosa, gostosa. Explodindo em Íxtase no encontro do acidulante INS 338 com o ·cido g·strico. Bum. Nhame, gostosa.