terça-feira, dezembro 23, 2003

"Da série 'queria ter dito mas outra pessoa me disse primeiro'
O deslumbramento com fotolog e câmera digital é tanto que nenhuma festa precisa mais alugar estrobo.
É só dançar com os flashes."
jóta-érre


segunda-feira, dezembro 22, 2003

Nessas horas, È sempre bom ter amigos. Pessoas com que eu sei que posso contar, e que se mostram presentes. Eu quis n„o comeÁar clichÍ ou piegas, mas quando se trata de amor ou morte, a pieguice È imperativa.
Vinda da PolÙnia aos sete, se foi aos oitenta e quatro com a forÁa e o vigor que lhe eram peculiares. E foi trabalhadora, e judia, e comunista. Foi presa aos quinze, casou-se aos vinte e oito, divorciou-se aos cinquenta e dois. Nunca se relacionou com nenhum outro homem. Empenhou-se em manter unida a famÌlia maravilhosa que gerou. TrÍs filhos, dez netos, sete bisnetos atÈ agora.
No final, tudo aconteceu conforme ela pediu. Cantamos e danÁamos no seu velÛrio, cremamos seu corpo - contrariando os preceitos judaicos e irritando uns e outros -, jogamos suas cinzas num pÈ de jaboticabeira. Ainda em vida, ela foi comunicada que aquela ·rvore fora plantada pelo meu avÙ, ao que ela respondeu que j· o havia perdoado e reiterou o desejo de ali ser o seu destino final. Cada membro da famÌlia jogou umas pitadas de vÛ e um punhado de terra sob a ·rvore que, afinal, simboliza a nossa unidade. Ela foi Elka, Elza, Neusa, Rute e tantas outras. Para mim ela sempre ser· a vovis com quem eu aprendi a viver.