sexta-feira, maio 23, 2003

Estou tão perdido entre as minhas leituras inacabadas. Resultado da minha preguiça inesgotável. Acabo por preencher meu tempo com outras coisas, talvez menos importantes. Talvez não. Mas fato é que não posso me permitir ser consumido desse jeito. E daqui a alguns minutos estou saindo pra piri, festa da minha irmãzinha. Ou eu fico por lá e termino de ler o que deve ser lido ou volto amanhã pra passar o fimdesemana com os amigos. A segunda opção é a mais provável, e não me me impede de ler os livros aqui, embora dificulte. Enfim, como gosta de dizer o Rindu, 'fé me Deus e pé na estrada'.


quinta-feira, maio 22, 2003

Universo Paralelo



Pré-estréia de Matrix. Honestamente, esperava bem mais. Nem sei se valeu ficar horas na fila. Podia muito bem ter esperado algumas semanas. Não tem nem de longe o impacto do primeiro. Os efeitos são por muitas vezes exagerados. Não descarto o filme de todo, interessantezinho. A estética é bonita. Algumas viagens são intrigantes. O motivo desse post foi uma visão que tive ao sair do cinema. Imagine a cena: mais de duas horas imerso numa realidade dupla, a Matrix e a realidade. Passa por mim uma figura carimbada da boate, um cara bonitinho daqueles pega-todos. Encontrar essas figuras que só conheço da Garagem em outro lugar inesperado abre um portal entre esses dois mundos: o gueto e a realidade. A maioria da literatura sociológica sobre homossexualidade acaba tendo que tratar do gueto, por mais superficial que seja. Ainda que se tenha avançado no sentido de desmitificar a questão, persiste essa barreira, esse gap que exige camuflagem em um universo paralelo: o gueto. Não querendo defendê-lo aqui, muito menos desenvolver nenhum tratado a respeito. Apenas me atentei que, longe da ficção existe essa dualidade tão tangível que assusta. Os diversos planos de existência do homem numa mesma 'realidade', entendida aqui como uma convenção utilizada para simplificar essa gama de realidades comprimida numa única. Nó! Fui longe demais, sô. Só queria dizer que me intriguei. Só isso.


quarta-feira, maio 21, 2003

Finalmente me livrei daquele banner horrendo do blogger. Thanks, zeed!



hedwig and the angry inch


Passei na Blockbuster pra ver se encontrava algum dos dois filmes abaixo listados. Ouquei, sei que Blockbuster não é lugar de achar esses filmes, não tinha nenhum dos dois. Achei outro que já tinha ouvido falar muito bem, mas não tinha visto. Hedwig - Rock Amor e Traição. E por que será que as traduções de título de filme para o português quase sempre acabam mais comportadas? O original é Hedwig and the angry inch. Resumindo grosseiramente, filme conta a história de um transsexual alemão que foi para os Estados Unidos. Hedwig está dividido(a) ao meio. Como Berlim. Como o mundo, então. As músicas são lindas e de uma profundidade que é impossível não se deixar tocar. Em uma delas (pra mim, a mais bonita: Origin of Love) vai buscar na mitologia referências a um terceiro sexo, duas pessoas ligadas pelas costas. A tatuagem que ela tem é linda, uma cara dividida pela metade. No final, lu e eu em êxtase, ela ainda mais emocionada que eu. Ficamos discutindo um tempão, mas nem vou entrar em detalhes aqui. É sempre bom deixar a surpresa no ar.








Estou me sentindo tão guei hoje. Passei horas lendo notícias frívolas e importantes no MixBrasil. Lendo outros genéricos de site gêéleésse fiquei doido pra ver alguns filmes. Especialmente O Amor Não Ordinário e Chop Suey


terça-feira, maio 20, 2003

Aniversário da minha irmãzinha. Coisa que não fazia há muito tempo, bolo. Falta de prática, muita meleca. Clara de ovo pelo chão da cozinha, massa transbordando a fôrma. Nada que recheio de chocolate e cobertura de chantilly não escondessem bem o suficiente para que me elogiassem. Feliz compleaños, dedé!


segunda-feira, maio 19, 2003

Almoço de hoje é rodízio de sushi com minha afilhada e a madrinha dela.