quinta-feira, abril 24, 2003

HistÛrias de progenitores
TrÍs garrafas de suco de pitanga pela metade numa prateleira da geladeira confidenciam risadas. Minha m„e devia olhar a geladeira antes de ir ‡ dispensa.
[]
Quatro garrafas de condicionador cheias numa prateleira do box gargalham, intoc·veis. Meu pai podia se lembrar que ninguÈm usa condicionador l· em casa.


quarta-feira, abril 23, 2003



Drea sobre minha carteira, durante aula de Comunicação Visual. Andrea em expansão, batizo.



É fato que ando me preocupando com alguns deslizes que minha queridíssima afilhada anda dando. Porque um ou outro erro de digitação tudo bem, mas é preciso cuidar da palavra escrita. E por conta do meu grande amor por essa menina que eu vi crescer é que eu zelo pelo modo como ela trata a nossa língua, coitada (da língua). Relembro então a conveniente campanha de Daniela para ver se essa menina abre os olhos e revisa direito seus posts. Padrinho também educa, ora bolas.

Alfabetização solidária




Cruzei a porta com dez anos de diferença na fisionomia. E as mesmas mulheres me chamando pelo nome e abrindo largos sorrisos. Tudo estava tão diferente. Eu já tinha retornado, desde quando fui embora pela primeira vez, em milnovecentosenoventaetrês. A alma do lugar já é outra, com apenas alguns fantasmas, apenas alguns flashes da escola primária que uma vez frequentei. Cenas impressas na memória vindo à tona. Episódios. Lagartixas correndo travessas pela minha espinha. Meia hora de espera enquanto a aula de acrobacia não começava. Acrobático era meu espírito, saudosista. Escalando aquela mesma árvore que me parecia muito maior aos onze anos. Reconhecendo a carcaça de ônibus que ainda abriga a cantina. Olhando na areia do parquinho à procura de grãos conhecidos. Conhecidos como os tubos de cimento, perdidos entre os novos balanços de madeira pintada. Olhando nas caras das crianças felizes correndo, brincando, brigando saudáveis. Futuros subentendidos em cada uma. O sinal chamou as crianças suadas, arfantes, sujas e felizes pra aula. E eu segui rumo ao novo ginásio sem lugar no meu passado ter uma excitante aula de acrobacia aérea.


terça-feira, abril 22, 2003

Não poderei assistir a peça do meu xará porque eu embarco pra Cidade Maravilhosa depoisdeamanhã pra ver peça de titio. Fazer de tudo para ver meu amigoquegostadesexodoceetechno antes dele fugir pro Shkol Beatsh. E curtir minha titia um pouco também. Mas isso não significa que vocês têm que se entregar ao marasmo. Essa semana também tem estréia na capital. Só espero que eles voltem depois para eu também ir prestigiar.





But you can cry me a river, cry me a river... I cried a river over you... Eu não conhecia direito Nina Simone, mas essa música é linda e na voz dela era fantástica. Por que será que a gente valoriza mais as pessoas depois que elas morrem? De qualquer forma, dordecotovelo é definitivamente ingrediente mágico para músicas tristíssimas e lindíssimas. Bom começo de semana não-santa. Semana profana, por que não dizer? Serão todas as demais semanas profanas? Tomara, o pagão é mais divertido.


domingo, abril 20, 2003

Someday he will come along, the man I love... Eu sei que sim, Etta, i do know that. Quanto tempo eu não fazia isso. Chocolate, cigarros, jazz, calafrios. Essa sensação indescritível de ameaça e oportunidade.



Milhões de enzimas sacanas vestidas de macacão vermelho com chifres e rabinhos microscópicos se infiltraram no meu suco gástrico e resolveram se alimentar das paredes do meu estômago. Ai.