sábado, março 29, 2003

Não sei se foi o vinho ou o chocolate, mas me sinto bem, muito bem. Boa combinação, by the way, Miolo e trufas. De graça, então, melhor ainda. Estes posts intimistas estão incomodando até a mim mesmo, mas é como eu ando estado. Deve ser essa tal de Norah Jones na minha orelha o dia inteiro. Talvez me sentiria melhor se falasse de coisas mais fúteis sobre como foi o filme de semana passada, ou do casamento de hoje. Mas eu não consigo, não agora. Agora eu me sinto estranhamente feliz, apesar daquela dorzinha féladamãe ainda sussurrar baixinho que eu desesperadamente quero alguém para quem dizer come away with me.


sexta-feira, março 28, 2003



Uma das melhores blogueiras (nem é, né? ela tem status de site- chique) que eu tenho privilégio de ler estará lançando seu primeiro romance. Quero descobrir logo quando nós brasilienses poderemos adquirir um exemplar desse livro, que eu aposto o quanto quiserem que é genial. Ver gente com talento tendo oportunidades como essa é algo que nos motiva.



Viva o Fundismo!


quinta-feira, março 27, 2003

No profundo abismo de idéias (leia-se poço de ideologias escrotas) em que estão as novelas brasileiras, encontrei algo interessante. A trama em que uma mãe descobre que o filho é um vampiro , o aceita, o acolhe. Creio que Jr já havia mencionado que na série americana Buffy, the Slayer foi apresentado um conflito similar. Mas acredito que seja significativo para o país que a maior controladora da cultura de massa exiba em horário nobre mensagens de tolerância de clara identificação com o homossexualismo. Isso demonstra que a nossa sociedade está, pouco a pouco, se permitindo maior flexibilidade. Com um mundo não perfeito, porém mais tolerante, em que matérias como esta não sejam mais necessárias, eu sonho.


quarta-feira, março 26, 2003

A situação financeira, só piorando. Daqui a pouco eu vou lançar mão do Find me a job project... Sério, dureza. Tá quase faltando o do cigarro. Brabo, viu.


terça-feira, março 25, 2003



as fofas






Cara, que gostoso postar com esse programinha! Consegui até mesmo acertar a coluna de blogs... Só de pensar, não ter mais que me aborrecer com aquela meleca de página do blogger.



Clips jornalísticos com músicas
de John Lennon receberão multas


Rio de Janeiro, 21/03/2003 - As redes de TVs brasileiras serão obrigadas a exercitar sua criatividade. Depois de 30 anos sempre usando "Imagine", "Give Peace a Chance" e outras babas para ilustrar protestos anti-guerra e cenas de violência, a TV brasileira vai ter que apelar para outra saída: o Ministério da Comunicação acabou de baixar um decreto que determina que a emissora de TV deverá pagar uma multa de 50 mil reais cada vez que um editor tiver a brilhante e inovadora idéia de fazer esse tipo de clip. Se o material ainda intercalar cenas de violência em preto e branco com cenas de momentos de paz em cores, a multa aumentará para 100 mil reais. E, finalmente, se o clip usar a música "Rosa de Hiroshima" e o apresentador do telejornal declarar que o autor da poesia que originou a canção é Carlos Drummond de Andrade (como já aconteceu há alguns anos), a multa chegará a 500 mil reais.
O dinheiro arrecadado irá financiar cursos de criatividade e de reciclagem cerebral em faculdades federais de jornalismo e RTV.
fonte: Mundo Perfeito, óbvio.



Muito me comove assitir a chegada ao mundo de pequenos novos pirralhinhos. Hoje eu fui visitar o Bernardo (nome cujo significado é o mesmo que o meu - cof, cof), filhinho do meu primo que nasceu semana passada. Aquele serzinho minúsculo e indefeso sugando leite da mãe é uma cena bonita de se ver. Não sei como seria ter um meu próprio. Nem ao menos sei dizer como eu reagiria. Mas estou ciente de que as chances de que isso aconteça são mínimas. E isso me machuca. Sim, existiria uma possibilidade remota de adotar, mas definitivamente não é a mesma coisa. Não poderia olhar para a cara do meu filho e ver o meu olho, ou nariz, ou até mesmo o jeito de sorrir. Não saberia que aquele pedacinho de gente é em parte composto pelos meu gens. Se tem algo que eu invejo as mulheres, esse algo é o fato de gerar uma outra pessoa. Por outro lado, quem sabe o que o destino está guardando para mim? Gee, esse post realmente se desviou de seu propósito, que era dar as boas-vindas ao fofão do meu primo. Ah, e é claro, para a Maria Clara, filha da Marília, que também se juntou a nós semana passada. Bem-vindos, moleques!