sábado, novembro 30, 2002

Que s·bado mais com cara de domingo... Depois faÁo um relato, agora n„o tÙ com saco. Anyway, vou ali num luau com o teacher e volto j·.


sexta-feira, novembro 29, 2002

Vai ver eu sou È lÈbisco...



E se eu n„o fÙr guei? Se esse negÛcio de homossexualidade fÙr mesmo errado? Acho q eu tb vou virar evangÈlico. O q acham?

[][][]

Pior parte da carÍncia È duvidar de uma das partes q eu mais amo em mim. … ter a aud·cia de questionar a minha essÍncia. Depois do tanto q eu lutei pra aceitar. Com o tanto q eu luto todos os dias, contra o preconceito de uma sociedade hipÛcrita! Bosta! T· vendo o q estou passando? N„o È Bate uma punhetinha que resolve... A carÍncia È maquiavÈlica.



E esse cÍdÍ dos Tribalistas? Saiu de onde?
Papai. Numa dessas compras malucas dele.

…, meu pai ‡s vezes surta e compra todos os discos q ele pode e tb os q n„o pode. Na mais recente vers„o, comprou este cÍdÍ q eu j· tava quase comprando. Eu realmente amo meu pai.



”, tÙ deixando uns tres reais pela cerveja. A de ontem. N„o quero ficar te devendo nada. E È sÛ. N„o me liga. Eu n„o vou atender. Minha cabeÁa t· doendo e n„o tem novalgina nem na vagina q conserte. Preciso de espaÁo. Preciso de tempo. Uns dois giros no relÛgio devem bastar. Pelo menos pra cabeÁa. Est· latejando, posso ouvir meu coraÁ„o suplicando por paz. Ai... Saco. VocÍ podia pelo menos tirar essas meias do caminho. Pelo menos as meias. CÍ nunca faz nada mesmo, nÈ. Vou sair. Preciso de um tempo. CadÍ meu cigarro? Tchau.
Tchau.


Se eu n„o vivo as coisas, posso ao menos imagin·-las, n„o? Posso sonhar com separaÁıes, com dores, brigas. Com amores, com beijos na testa e cafÈ na cama. Com massagens, discussıs por causa do p„o q estava muito torrado ou muito branco. Reconcilio com meu namorado imagin·rio O que est·vamos pensando? Quem liga se a pasta t· espremida no meio ou se vem desde l· em baixo? SÛ sonhos, ref˙gio dessa ausencia de vivÍncias q vivencio...



N„o quero mais fazer sentido. Nem eu nem esse elefante verde aÌ na janela. N„o È mesmo?! Depois das onze n„o se deve mais servir ch·. Nem mesmo de curry. Leves pitadas de asfalto na noite quente. E sono, muito sono... Talvez um drops de agonia me refresque. Ou n„o.


quinta-feira, novembro 28, 2002

Framboesa
A colher (nem de sobremesa, nem de ch·, algo intermedi·rio) penetra a viscosa superfÌcie artificialmente colorida. Brinco com a elasticidade do pedacinho e levo ‡ boca. Divirto-me em brincar com os bocados que como, vagarosamente.


quarta-feira, novembro 27, 2002

Como j· suspeitava, vou reprovar pela primeira vez na vida. Eu e a torcida do Flamengo. Tudo graÁas ao fabuloso Panisaco e sua LPIII. Bosta!


segunda-feira, novembro 25, 2002

Primeira vez no Festival e uma Ûtima experiÍncia. Dois perdidos numa noite suja È realmente um grande filme e cheguei feliz em casa, quase duas da manh„ de domingo (j· seria segunda, nÈ?). E assisti tb a peÁa q tava querendo, Ensina-me a viver, super produÁ„o, cheia de perucas e figurinos, cen·rio enorme, todo vermelho, com cortinas e surpresas. O elenco È todo maravilhoso, e tem um ator q, hum... A mensagem da peÁa tb È muito linda, È realmente uma liÁ„o de vida. Quem for de BrasÌlia, ainda ter· a oportunidade de assistir hoje, ‡s 20h. Se fosse eu, n„o perderia.


domingo, novembro 24, 2002

… tempo de prÈ-Natal.



…, Murphy, vc simboliza uma prova cabal de q desgraÁa pouca È bobagem... Logo no dia em q a apresentaÁ„o na Ceil‚ndia È cancelada, sai uma foto no jornal. Pequena, l· em cima, em p&b, mas sai. Enfim...

Û-bÍ-Èsse: Esse povinho do Correio... SÛ pq È de dia, eles acham q È de crianÁa.